Caminhoneiros quase pára o Brasil

protesto caminhoneiro 2

Numa semana de manifestação, bloqueio das principais estradas do Brasil,deu para os brasileiros tomarem conhecimento da força de trabalha que representa essa classe.

Dia 25/02, a tarde, o governador federal e representantes da classe dos caminhoneiros fecharam um acordo, e as estradas começaram a serem desbloqueadas.

Segue o acordo firmado entre as partes (extraído do G1):

1-Sanção intregal da nova lei do caminhoneiro;

2-Insenção de pagamento de pedágio para o eixo suspenso de caminhões vazios;

3-Aumento do valor da estadia,de R$ 1 para R$ 1,38 por tonelada/hora, calculada sobre a capacidade total de carga do veiculo, e valor este que será autalizado todos os anos pelo INPC;

4-Obrigatoriedade do embarcador ou destinatário da carga de fornecer documentos hábil para a comprovação do horário de chegada do caminhão, sujeito a multa de 5% sobre o valor da carga;

5-Tolerância do peso bruto total de 5%, e do peso por eixo de 10%, além de perdão das multas por excesso de peso expedidas nos últimos dois anos;

6-Responsabilização do embarcador pelos prejuízos decorrentes de excesso de peso transbordo da carga com excesso;

7-Inclusão de obrigação do governo de instalar e incentivar pontos de paradas, mediante cessão de áreas públicas;

8-Carência de 1 ano para pagamentos das parcelas de financiamento de caminhões dos contratados em vigor de transportadores rodoviários autônomos e microempresas dos programas pró-caminhoneiros e Finame;

9-Elaboração de tabela referencial de fretes pela entidade representativas dos caminhoneiros e das transportadora com os embarcadores, tendo mediação ministério dos transporte, com a primeira reunião a ser realizada em 10 de março;

10- Compromisso da Petrobras de não realizar, pelos próximo 6 meses, reajuste no preço do diesel;

11- Compromisso da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos vegetais (Abiove) de melhorar o resultado dos fretes dos caminhoneiros a níveis satisfatório;

 

Nota jornal O Porto: Dia 26/02 9 estados ainda tinha estradas com bloqueios dos caminhoneiros.

Comentários

Deixe uma resposta