Ministério Público aponta fraudes de R$ 2,5 bilhões no Bolsa Família

Gabriel Francisco Ceccon Enebelo - é Advogado formado em Direito pelo Centro Universitário Dinâmica das Cataratas, inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional do Paraná – sob o nº 71.771, Pós-Graduado pela Faculdade Damásio, com título de Especialista em Direito Tributário (Lato Sensu).

Gabriel Francisco Ceccon Enebelo – é Advogado formado em Direito pelo Centro Universitário Dinâmica das Cataratas, inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional do Paraná – sob o nº 71.771, Pós-Graduado pela Faculdade Damásio, com título de Especialista em Direito Tributário (Lato Sensu).

Publicado por Gabriel Francisco Ceccon Enebelo31-05-16

Um levantamento feito pelo Ministério Público Federal apontou suspeitas de fraudes no pagamento do programa Bolsa Família que podem chegar a R$ 2,5 bilhões e atingir 1,4 milhão de beneficiários.

Entre as possíveis irregularidades encontradas pelo órgão há saques realizados por pessoas que já morreram, indivíduos sem CPF ou com CPFs múltiplos, além de pessoas que estariam recebendo o benefício sem ter direito, como servidores públicos e doadores de campanhas políticas.

Os dados foram levantados a partir do cruzamento de informações do cadastro de beneficiários com dados da Receita Federal, TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e Tribunais de Contas.

Essas irregularidades foram identificadas em pagamentos feitos entre 2013 e 2014. O Ministério Público deu prazo de 30 dias para que o Ministério de Desenvolvimento Social e Agrário informe quais providências serão tomadas diante de inconsistências identificadas.

O levantamento fez parte de um projeto lançado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em junho do ano passado, e tem como objetivo de combater as fraudes do programa.

Em nota, o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário afirmou que “não ignora a possibilidade de irregularidades ocorridas na gestão anterior”, isto é, da presidente afastada Dilma Rousseff.

O texto também diz que a “pasta está empenhada em aperfeiçoar o controle e os mecanismos de fiscalização dos beneficiários do Bolsa Família” e que integrantes do ministério entraram em contato com o Ministério Público Federal para tratar do assunto e criar um comitê de controle “para depurar e garantir que o Bolsa Família seja destinado para quem mais precisa”.

Fonte: UOL

Comentários

Deixe uma resposta