Liberação de emendas deve acalmar ânimo de deputados contra petista

tarseo neves 31-07-15Publicado por  Gilberto Leite/Rdnews

O coordenador da bancada de Mato Grosso no Congresso, deputado Ezequiel Fonseca (PP), acredita que a liberação de R$ 4,9 bilhões em emendas, referente a 2014, e restos a pagar de anos anteriores, deve acalmar os ânimos para votação dos  pedidos de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). Dessa verba, R$ 717,4 milhões foram liberados só essa semana.

Acontece que os parlamentares retornam de recesso a partir da próxima terça (4). Com isso, o presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) deve analisar os pedidos de Impeachment contra a petista. O peemedebista, em represália por possível envolvimento na Operação Lava Jato, poderá iniciar um processo para tentar destituir a petista do Governo.

Apesar de acreditar num alívio da artilharia pesada contra Dilma, Ezequiel lembra que os parlamentares eleitos em 2014, que contabilizam 253 deputados federais, não têm direito às emendas. “Em parte acredito que vai acalmar os ânimos porque os deputados são cobrados pelos prefeitos e vereadores acerca de recursos para os municípios”, ressalta ao Rdnews.

De qualquer forma, o progressista admite que na próxima semana será de muito trabalho para evitar que a Câmara aceite algum pedido de impeachment. “Tem a briga do Eduardo (Cunha) com a presidente. Mas acredito que com o repasse tira a pressão dos deputados”, supõe.

Destinação

Para Mato Grosso, Ezequiel acredita que o montante deve chegar a R$ 300 milhões. Dos oito deputados federais, apenas Carlos Bezerra (PMDB), Ságuas Moraes (PT), Valtenir Pereira (Pros) e Nilson Leitão (PSDB) irão receber o recurso. O atual senador Wellington Fagundes (PR) também está na cota, uma vez que em 2014 ainda atuava na Câmara.

Conforme o progressista, 50% do recurso, ou seja, R$ 150 milhões devem ser destinados para a saúde. Além disso, Ezequiel diz que as emendas são para obras que estão paradas ou em atraso, principalmente, na área de infraestrutura. “As emendas serão destinadas em parcelas até o fim do ano. A primeira parcela de mais de R$ 700 milhões foram destinadas na semana passada”, conta.

Os deputados que não têm direito às emendas atrasadas são Ezequiel Fonseca, Adilton Sachetti, Fabio Garcia, ambos do PSB, e Victório Galli (PSC). As emandas dos deputados que não foram reeleitos ou não disputaram, Eliene Lima (PSD), Roberto Doner (PSD) e Julio Campos (DEM), continuam valendo e vão para os locais para onde estavam destinadas no ano passado.

Fonte: RDnews.com.br (31-07-15).

Comentários

Deixe uma resposta