Leitão e Valtenir integram comissão especial do impeachment de Dilma

Deputados federais Nilson Leitão e Valtenir Pereira foram indicados pelos respectivos partidos

Deputados federais Nilson Leitão e Valtenir Pereira foram indicados pelos respectivos partidos

Jacques Gosch

Fonte: Rdnews.com.br (17-03-16)

Três deputados federais por Mato Grosso foram indicados para integrar a comissão especial formada por 65 parlamentares que analisará o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). Nilson Leitão (PSDB) e Valtenir Pereira serão titulares enquanto Victório Galli (PSC) ficou na suplência.

Leitão e Galli são parlamentares de oposição defendem o impeachment de Dilma. Valtenir, por sua vez, integra a base governista e se posiciona contrário ao afastamento da presidente.

Os integrantes da comissão especial foram indicados pelos líderes dos 24 partidos com representantes na Câmara Federal nesta quinta (17). Entretanto, as indicações das bancadas precisam ser confirmadas em eleição com voto aberto no plenário.

A sessão extraordinária para eleger a comissão especial iniciou às 10h. A votação terá início nesta tarde assim que atingir o quórum mínimo de 257 deputados federais. Os deputados federais acreditam que a comissão especial do impeachment seja instalada por volta das 17h. Após a instalação, os integrantes do colegiado irão escolher quem irá presidir e relatar os trabalhos.

Pela proporcionalidade das bancadas, PT e PMDB serão os dois partidos com mais integrantes na comissão, oito  cada. O PSDB terá seis  representantes na comissão especial.

Por falta de consenso na bancada, o PP foi o único partido que não apresentou, no horário definido, os nomes de seus representantes para a chapa. Com isso, os representantes da sigla foram incluídos na chapa 25 minutos após o término do prazo.

Regras

Pelas regras estabelecidas pelo Supremo Tribunal Federal (STF), além da votação aberta, é permitida a participação de apenas uma chapa formada por nomes indicados pelos líderes, sem a possibilidade de uma chapa avulsa entrar na disputa.

Se a chapa oficial for rejeitada, os líderes terão que indicar outros nomes para compor uma segunda chapa para que nova votação seja feita. Em seguida, depois de instalada a comissão, haverá eleição para a escolha do presidente e relator.

Após a formação da comissão, a presidente Dilma terá dez sessões do plenário da Câmara para apresentar sua defesa e o colegiado terá cinco sessões depois disso para votar parecer pela continuidade ou não do processo de impeachment. Cunha vai tentar fazer sessões todos os dias da semana, inclusive segundas e sextas. Para valer na contagem do prazo, será preciso haver quórum de 51 deputados. (Com informações do G1)

Comentários

Deixe uma resposta