05 de dezembro de 2021

EDITOTIAL – Pergunta que não se cala, há 33 anos! Cadê a água tratada do Setor Pioneiro de Apiacás?

De um modo geral, todos os moradores do Setor Pioneiro ao precisarem fazer manutenção de poço, quer limpando poço devido assoreamento (poço desbarrancando), colocando manilhas, refundando poço, perfurando poço novo, reformando bombas ou comprando bombas novas, ou tendo poço contaminados (e ter que pegar água do vizinho), imóveis desvalorizados – fazem a pergunta. Cadê a água tratada do Setor Pioneiro de Apiacás que tem rede instalada desde 1988?

Eu, Francisco Pinto dos Santos, munícipe, morador do Setor desde abril de 1985, posso falar do assunto com uma certa propriedade, afinal, trabalhei por 11 anos na Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR e acompanhei passo a passo o trabalho dos Gestores Municipais de Apiacás e Poder Legislativo, quanto a esse tópico. “água para o Setor Pioneiro”.

limpeza de poço dias 8 e 9/10/2021 – Rua Santa Catarina.
limpeza de poço dias 8 e 9/10/2021 – Rua Santa Catarina.

Dias 8 e 9 deste mês, tive que fazer, mais uma vez, manutenção no poço (limpeza devido assoreamento em função de desbarrancamento do poço – “fotos”) e os inquilinos ficam sem água – local, Rua Santa Catarina.

O prefeito atual Júlio Cesar, tá no comando municipal, mas no início do ano, no começo de seu mandato, já me adiantou, em conversa em seu gabinete, “que este ano, não ia dar para por água pro povo do Setor – pediu paciência…”.

Quero deixar bem claro aos leitores desse editorial – nunca fui contra a nenhuma Administração Municipal e Legisladores do município, aliás sempre procurei mantê-los informados da realidade do Setor Pioneiro quanto a rede de água, mas pelo jeito de nada adiantou, o problema persiste. O Jornal O Porto foi um grande mensageiro para expor a situação desde dezembro de 1997 “no segundo semestre de 2020 a história foi recontada tim-tim por tim-tim – digo sempre, apenas estou exercendo o papel de munícipe e jornalista – questionando, avaliando e posicionando naquilo que tenho um modesto conhecimento “rede de água”.

Como a novela não encerrou, vamos ver os próximos capítulos:

  • Tem inúmeros ofícios e requerimentos sem respostas citados na edição do Jornal O Porto de 24 de dezembro de 2020 página 3;
  • Prefeito atual Júlio Cesar e vereadores estão seguindo até o momento o que o ex-prefeito Adalto Zago deixou prescrito “fazer rede nova – colocar rede em cima de rede no setor pioneiro”. Júlio colocou no Plano de Campanha eleitoral e no Plano de Governo 2022-2025 o projeto do ex-prefeito.
  • Se de fato, forem por rede nova, ao fazer valetas vai cortar canos de PVC e ramais prediais existentes, vai ser de cortar o coração! O Jornal O Porto, vai registrar o andamento da obra.  O asfalto sofrerá muitas avarias, que poderia ser evitado em muitas ruas;
  • Estranho, o Laudo Técnico que o ex-prefeito Adalto apresentou sobre a rede no final do ano passado, no meu entender sem consistência e sem confiabilidade, ainda não foi publicado no Diário Municipal AMM/MT- pelo menos eu ainda não vi. Não dá para entender, primeiro o ex-prefeito Adalto fez o projeto e pediu dinheiro para o governo federal, só depois, na pressão, fez Laudo Técnico. Nem água foi colocado na rede para fazer o teste, nenhuma escavadinha de unha foi feito para ver o estado da rede – dá impressão de um Laudo Técnico comprado. Na época tentei falar no whaTsapp com a engenheira Sanitarista, ela viu os áudios mas não fez nenhum comentário;
  • A não cobrança pontual, persistente, do Poder Legislativo ao Poder Executivo para colocar água no setor pioneiro desde o primeiro mandato de Apiacás(1989), dá no que deu, até hoje;
  • Só fazendo uma comparação: o dinheiro municipal que o ex-prefeito Adalto gastou limpando leito do córrego Angelin Zeni para iniciar fazer o Lago Municipal, daria com sobra para fazer a manutenção da rede existente no setor pioneiro. Digo manutenção, porque foi a própria prefeitura, que no decorrer dos anos, estragou canos e ramais prediais com os maquinários, ao fazer valetas, patrolamentos de ruas e pavimentação asfáltica. Em função da profundidade que está a rede foi em poucos lugares que isso aconteceu;
  • Só mais um alerta ao Poder Legislativo representantes do povo via voto eleitoral: A fiscalização precisa ser constante, ficarem atentos (ver os projetos/planilhas de execução, etc) para com obras realizadas no município. a) Creche municipal – Obra novíssima já substituindo o telhado de telha de barro – valor R$430.000,00. O prefeito já abriu licitação para a obra; b) Viveiro Municipal – antes de concluir a obra, deu no que deu, viveiro caiu com vento. Na construção ficou constatado irregularidades, entre elas, a empreiteira estava colocando roletes de madeira branca(de laminadora) nas colunas de concreto. E com isso, para encurtar a prosa, passou-se mais de 10 anos para a obra ser reerguida em um outro lugar, com muito menos metragem quadrada. c) Iluminação Pública nos super postes o ano passado – na Avenida Gov. Dante Martins de Oliveira e Av. Jonas Pinheiro(que eu percebi/vereador Maninho também comentou o assunto na época), colocou-se mangueiras novas(preta) e não colocaram a fiação elétrica. Usaram a instalação existente. Essa mangueiras até ainda deu o que falar na imprensa(jornal O Porto), em grande parte da extensão, ficaram super expostas, valetinhas rasas, em dois pontos refundaram a valetinha depois da denúncia;

Diante o exposto – vai virar moda, os problemas em obras públicas em Apiacás?

Comentários