07 de maio de 2021

Deputado tucano pode perder mandato por Caixa 2 em 2018

Um pedido de vistas do juiz-membro Armando Biancardini Candia adiou a conclusão do julgamento do deputado estadual Carlos Avalone (PSDB), no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT).

A ação contra o parlamentar começou a ser julgada na quinta-feira (22), e a maioria dos magistrados do pleno votou por manter a cassação do mandato do tucano.

Os juízes Jackson Coutinho e Gilberto Bussiki, que já tinham votado conforme o relator, voltaram atrás e decidiram aguardar o pedido de vista de Candia.

Em contrapartida, votaram pela manutenção da cassação o relator, Fábio Henrique Fiorenza, os desembargadores Sebastião Moraes e Gilberto Giraldelli, e o juiz Bruno D’Oliveira Marques.

Avalone teve o seu mandato cassado pela Justiça Eleitoral de Mato Grosso em dezembro do ano passado por prática de Caixa 2 e abuso de poder econômico, na campanha eleitoral de 2018.

As acusações foram constatadas, principalmente, por conta da apreensão de R$ 89,9 mil em dinheiro e centenas de santinhos, em um veículo da campanha do parlamentar, três dias antes da eleição.

Além disso, o depoimento de um homem detido pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), na ocasião, também embasou a decisão que cassou o mandato do parlamentar.

A defesa do deputado tenta anular a cassação, por meio de embargo de declaração.

No recurso, Avalone alega que o vídeo do depoimento da testemunha, utilizado para embasar a cassação, foi editado e feito de forma seletiva.

O julgamento do recurso de embargos de declaração só não foi concluído na quinta-feira (22).

Fonte: Diário de Cuiabá (24/04/2021).

Comentários